domingo, 25 de abril de 2010

Reggio pra mim

*Julia Lamparelli Brandão

Eu estava na escola, quando meu pai me disse: “preciso falar com você”. Era sobre um e-mail que ele havia recebido, no qual era solicitado um texto com o meu olhar sobre Reggio. Pânico! “Ai meu Deus, acabei de começar meu estágio, nem tenho formação nisso, vou escrever o quê?”. Comecei a pensar sobre o que essa viagem me deu... Tudo o que eu senti... O que foi Reggio pra mim...


A proposta de viajar a Reggio foi uma grata surpresa pra mim, Quase não acreditei na oportunidade que me estava sendo oferecida... E a resposta foi fácil... SIM!

Reggio pra mim foram pessoas novas. Logo no aeroporto de Milão fui apresentada a um grupo de educadores que, ao longo da viagem, pude conhecer e admirar cada vez mais.

Reggio pra mim foi inesperado. Mesmo tendo lido livros e participado de uma reunião sobre o sistema de ensino da cidade, o que eu vi quando pisei na primeira escola foi bem diferente das expectativas que eu havia criado. Foi muito mais. As visitas às escolas foram o maior destaque da viagem. Ver a arquitetura, toda a estrutura física, as crianças em suas atividades e conversar com os educadores foi uma experiência que não pode ser contada, é preciso ser vivida.

Reggio pra mim foi inspirador: isso tem de ser levado pro Brasil. Como as coisas lá funcionam bem e como é surpreendente ver as crianças tão soltas e independentes! É preciso um esforço muito grande para que isso possa acontecer aqui.

Reggio pra mim foi desafiador: dá pra trazer para o Brasil? Temos outra realidade aqui, como transferir aquilo de lá pra cá? Talvez não seja esse o caminho, e por isso o trabalho deve ser ainda maior... É necessário descobrir como adaptar a qualidade do trabalho de Reggio à realidade e às escolas brasileiras.

Reggio pra mim foi provocante: e se eu trabalhasse com isso? A educação é um campo que venho considerando como opção profissional e essa viagem pesou ainda mais este lado da balança. Não há como viver aquilo, mesmo que por alguns poucos dias, e não ser envolvido.

Reggio pra mim foram praças e mais praças, foram ruas e construções tortas e belas. Reggio pra mim foram sorrisos.

Reggio pra mim foi encantador.

Reggio pra mim foi estimulante.

Reggio pra mim foi uma experiência única.

Se você ainda não experimentou essa cidade e seu admirável projeto de educação, só posso recomendar Reggio pra você.

* Julia Lamparelli Brandão é Trainee no CEB
São Paulo - SP

2 comentários:

Anônimo disse...

Oi Júlia,

Que alegria ler seu texto poético! Reggio é pura inspiração...como andam as coisas por aí? E sua formação nessa área tão encantadora?! O mundo dá muitas voltas...e lá vou eu, no final do ano morar em São Paulo! Vou te enviar um e-mail para trocarmos ideias e conversarmos sobre SP!!!
Já, já estarei colocando meu texto no Blog!

Beijos e saudades das boas risadas,
Priscilla

Anônimo disse...

Júlia:
Vc tem toda razão em dizer o quanto Reggio foi estimulante para nós q lá estivemos.
Reggio é uma boa recomendação!
É como uma injeção de ânimo, é como a bula de um remédio, sabe, quando estamos em carência de algo, e o remédio vai suprir esta falta, vai nos trazer novos e bons estados de lucidez, de alegria, de consciência!
Parabéns pelo texto!
Até breve!
Tati