terça-feira, 11 de março de 2014

Relato - Reggio Emilia: uma experiência educativa transformadora.



 
Decidi conhecer Reggio Emilia em busca de respostas as minhas inquietações que surgiram diante de leituras e cursos que participei em São Paulo.

Pela primeira vez estive na Europa e sem falar outros idiomas me entreguei a cidade: conheci pessoas, observei, fotografei, visitei exposições, saboreei a culinária, passeei por feiras, comprei lembranças e de certa forma me apropriei um pouco do espaço, foi uma maneira de explorar e entender o contexto onde essa abordagem foi criada.

Uma semana cheia: conhecer escolas, participar de palestras, assistir experiências, tirar dúvidas, fazer novas amizades, rever pessoas e conhecer educadores de toda América Latina!

Nesse seminário foi nítido o compromisso das educadoras e de todas as pessoas que trabalham nas escolas de educação infantil. As escolas criam um ambiente investigativo, ativo, inovador, habitado, documentado, cheio de provocações para as invenções dos pequenos. Um ambiente de paz, tranquilidade e harmonia. As crianças realizam atividades todos os dias engajadas nas suas descobertas, no que interessou-lhes. Elas tem seu tempo, seu espaço, nada de fazer as coisas correndo. A ideia das cem linguagem ficaram evidentes no trabalho apresentado e visitado.

Dentre muitos aspectos, comento dois que chamaram minha atenção. O primeiro foi o diálogo das crianças com a cidade, elas participam ativamente das decisões, a presença delas é fundamental e não há um espaço determinado para adultos e outro para crianças.

O segundo foi que na escola se encontra uma diversidade incrível de materiais naturais, reutilizáveis, da vida diária e não uma loja de brinquedos. E nesse sentido o REMIDA – Centro de reciclagem criativa tem o papel essencial de fornecer as escolas estes materiais que servem como recurso educativo. Materiais alternativos, industriais e reciclados (diferente de sucata) que são doados por diversas empresas. Os educadores veem esses materiais como intelectuais e didáticos não como descarte.

Muitos aspectos me mobilizaram a refletir sobre minha prática pedagógica e avaliar meu trabalho. Minha cabeça borbulhou de tanta informação e ao mesmo tempo de ideias e ressignificações.

Enfim a viagem foi enriquecedora. Respondeu algumas perguntas e voltei com tantas outras. Experiência indispensável para quem estuda ou tem interesse pela abordagem!

 Marcela Chanan
Professora do período integral na Escola Nossa Senhora das Graças – Gracinha
Participante do Grupo de Estudos da América Latina em 2013

*Relato sobre viagem para Reggio Emilia

2 comentários:

Viviane Maia disse...

Gostaria de participar também do grupo de estudos. Identifiquei-me com seu relato, pois passo pelo mesmo processo. Por causa de leituras e pesquisas na internet, numa das quais cheguei à Redesolare, também inquietei-me e me questiono a todo instante, quanto à minha prática e quanto à educação infantil na escola em que trabalho e na cidade que vivo.

Marcela Chanan disse...

Oi Viviane, todo ano a RedSolare abre esse grupo de estudos, normalmente para viajar entre os meses de abril e maio. Aproveite!