segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Abertura do Seminário - "O Olhar das Crianças sobre a Cidade".

* Marilia Dourado


Este Seminário é o 5º da RedSOLARE Brasil e estamos muito felizes pelo significado dele para todos nós, educadores do mundo. Com este encontro e também reencontro, reafirmamos o valor das relações: entre países, estados, cidades... entre pessoas, educadores, professores, gestores, coordenadores, auxiliares e famílias de instituições públicas, particulares e comunitárias.

Acreditamos que realizar iniciativas como esta, que focam na educação em relação e expressam o nosso sentimento, a nossa esperança e a nossa busca como educador, mas acima de tudo como pessoas, em qualquer parte do mundo em que vivemos, é o caminho para a construção de uma realidade necessária, uma vida feliz, justa, marcada pela esperança, a realidade que buscamos para todos e todas que vivem no planeta, a nossa casa. Porque educação é um fato social, cultural e político que vive necessariamente de diálogos, de solidariedade, de partilha, de tudo que se pode crer a título de diversidade, de VIDA - Vida global que defende a relação de interdependência entre homens e nações.

Para Malaguzzi, educador responsável pelo Projeto da prática educativa da Reggio Emília - Itália, formamos parte de um mundo em que as distâncias estão se encurtando. Isto nos oferece a possibilidade de sermos habitantes de muitos mundos, com grande interrelação entre as culturas, o que significa que nunca estarmos sós. E viver em relação implica em uma consciência planetária e no exercício pleno da cidadania.

Esta ideia nos convida a refletir:

Como está sendo construída hoje nas nossas crianças a ideia e o sentimento de cidadania?

• O que significa hoje para as crianças e também para cada um de nós, ser cidadão?

Para aprofundarmos estas ideias que implicam em compreender a nossa concepção de mundo, sociedade, espaço educativo, homem, criança, aprendizagem, pensamento e múltiplas linguagens, organizamos este encontro com o tema “O Olhar da Criança sobre a Cidade”. Para escutar atentamente as suas vozes convidamos nossos amigos e parceiros de sonhos e realizações, da Colômbia e do México, assim como, educadores de 6 instituições do nosso país, de 3 estados diferentes (Bahia, Rio Grande do Sul e Minas Gerais), que viveram experiências singulares, como guias e orientadores, investigando com profundidade, as teorias das crianças, as mais diferentes formas de expressão das suas ideias e pensamentos. Desde fevereiro/2010 estas espaços educativos dialogam entre si, participando do Grupo de Cooperação da RedSOLARE Brasil e aprendendo juntas: a arte de educar numa perspectiva criativa, de valorização e respeito ao enorme potencial das crianças, em permanente diálogo com a Reggio Emília.

Nessas relações compartilhamos nossas idéias e concepções que influenciam nossas teorias, esperanças, palavras, pensamentos e emoções. Ao interagirmos uns com os outros, identificamos interdependências que nos levam a construir-nos e reconstruir-nos como num caleidoscópio constantemente num mundo, que se amplia e ao mesmo tempo encontra focos, assim como acompanhamos esse mundo em que estamos inseridos transformar-se. É surpreendente e também realizador constatarmos que a realidade é re-elaborada por nossa própria atuação nela. Esta é a defesa da Cidade de Reggio Emília e da educação que é feita nela. Esta é a nossa inspiração!

Loris Malaguzzi com a sua Pedagogia da Escuta que muitas vezes foi denominada “transgressora porque luta contra a acomodação, a chatice, o tédio. Procura intencionalmente - com amabilidade e paixão - a alegria, o otimismo e a ironia. É transgressora, também, por sua capacidade de assumir riscos, de realizar eleições e desafios múltiplos, e por sua imaginação constante para transformar o utópico em possível; e o possível em real”.

“Também podemos afirmar que é uma pedagogia transgressora pela idéia de um projeto que leva a Loris a reconhecer as múltiplas direções ou infinitas bifurcações dos acontecimentos. Mas esta idéia, que assusta e pode paralisar, em Malaguzzi e em Reggio se transformam numa energia criadora. Trabalhar em educação é, também, fazer eleições, saber selecionar. E Malaguzzi tinha a capacidade de saber fazer as indicações justas e oportunas, os caminhos a seguir. Era como alguém que apontava sempre na direção oportuna com a idéia de ir além. Sempre reconhecia um caminho novo pelo que seguir”.

Temos escolhidos caminhos que nos desafiam a todo o momento, mas que também nos encoraja porque sabemos que a nossa realidade nos convoca a agir na urgência. Acreditamos que se trata de uma atitude cotidiana, uma relação empática e sensível com o nosso contexto, com o meio em que estamos inseridos. Identificamos que existe “um fio que conecta e ata as coisas entre si, um ar que leva a preferir um gesto a outro, a selecionar um objeto, a eleger uma cor, um pensamento; escolhas nas quais se percebe harmonia, cuidado, prazer para a mente e para os sentidos”.

Existe também um olhar que descobre, que admira e se emociona. É o contrário da indiferença, da negligência e do conformismo.

É por isso que constantemente formulamos novas perguntas que não tem respostas únicas, nem fáceis. Queremos deixá-las como pontos de interrogações que nos ajudem a compreender o valor deste Seminário e dos nossos permanentes encontros:

O que é mesmo uma cidade?

Como as crianças transitam pela cidade?

Quais são os gostos das crianças?

Como utilizam os elementos da cidade?

Qual a relação entre cidade e escola?

Como as escolas apoiam as crianças a compreenderem a sua cidade?

Para Ítalo Calvino "É uma cidade igual a um sonho: tudo o que pode ser imaginado pode ser sonhado, mas mesmo o mais inesperado dos sonhos é um quebra-cabeça que esconde um desejo, ou então o seu oposto, um medo. As cidades, como os sonhos, são construídas por desejos e medos, ainda que o fio condutor de seu discurso seja secreto, que as suas regras sejam obscuras, as duas coisas escondem uma outra”.

Queremos muitas outras instituições dialogando conosco. Muitos outros educadores participando desta mobilização. Este momento é pois um novo convite para que desfrutemos de cada olhar, expressão, fala, escuta, cheiros e sabores das crianças, abramos o coração e aprendamos com elas, pois hoje podemos afirmar que com as crianças descobrimos muito mais das nossas cidades:

Cidade antiga, cidade moderna,
Cidade com muitos sonhos e desafios,
Cidade das dores e dos amores,
Cidade contradição,
Cidade da dimensão humana, cidade das crianças
Cidade insegura e com segurança
Cidade poesia, cidade romântica,
Cidade invisível
Cidade proibida,
Cidade de muitos segredos,Cidade de ontem, hoje e amanhã,
Cidade das crenças e de mita mobilização.
Cidade feliz e infeliz , mas também em busca permanente da FELIZcidade!

Que a busca seja uma constante em nossas vidas, assim como as nossas realizações, as transformações em possível, daquilo que nos parecia impossível.


*Marilia Dourado é a representante Nacional da RedSOLARE Brasil e membro do network Internacional da Reggio Children – Itália.

Um comentário:

pateducacao disse...

Essas reflexões têm sido constantes após minha participação neste seminário! Afirmo que as contribuições foram muito significativas, que "mexeram" comigo! Procurei ter uma "escuta sensível e um olhar atento" a tudo que estava sendo apresentado, de forma que pudesse aproveitar ao máximo as questões apontadas, que são de extrema importância para o contexto da Educação Infantil! Muito tenho a aprender sobre a perspectiva reggiana, mas já me senti tão acolhida pelo grupo, que parece que já faço parte há algum tempo das discussões sobre as questões objeto de estudo e prática da RedSolare! Quero agradecer a oportunidade de poder ouvir todos/as, dividir minhas inquietações, socializar meus pensamentos e, sobretudo, fazer parte dessa história, também me fazendo presente e atuante no Seminário!
Parabéns a toda equipe organizadora e aos educadores que fazem parte dessa "caminhada constante"!
Patricia Paim - tutora do PROINFANTIL (coordenadora de uma escola municipal de Salvador, pela Secult) e tutora de cursos à distância, por uma universidade privada, atuando com formação de professores).